Coco do nome da personagem infantil inventado para aterrorizar as crianças, também conhecida no Brasil por Cuca. Quando os navegadores portugueses chegaram a Malabar, na Índia, em fins do século XV, o fruto da palmeira pareceu-lhes semelhante aos fantasmas de pano, feitos em casa para assustar as crianças. E palmeira virou coqueiro.

Doce de coco, do Latim dulce, declinação de dulcis, doce, e coco, de Coco. Doce de coco é uma iguaria feita com coco ralado, açúcar, gema de ovo, farinha de trigo, cravo ou outros temperos. E designa também a pessoa amável, de bom temperamento. O cantor brasileiro Wanderley Conti Cardoso (67) teve entre seus sucessos a canção Doce de Coco: “Meu bem! Desculpe a comparação/ Que eu vou fazer/ Papápapárapárapápá/ Você vai ficar muito zangada/ Mas eu vou dizer:/ Papápapárapárapápá…Você não é doce de coco/ Mas enjoei de você.” Nas décadas de 1960 e 1970, escrevia-se “doce-de-côco”, com hífen e acento. O acento foi abolido pela pequena Reforma Ortográfica do Governo Médici. E o hífen caiu com o Acordo Ortográfico atual.