O finlandês tem fama por ser uma língua difícil. Contudo, muitas coisas consideradas difíceis são apenas diferentes em comparação às línguas indo-europeias.

A flexão das palavras é rica no finlandês, uma vez que por exemplo os casos abundam. Geralmente os casos são bastante regulares quanto à sua forma e função. Os sufixos dos casos são acrescentados à raiz da palavra e exprimem o mesmo que as numerosas preposições das línguas indo-europeias – o tempo, o lugar, o modo, o proprietário ou o objecto. Sendo assim, o finlandês é uma língua sintética em que os sufixos acrescentados à raiz da palavra têm funções diferentes.

Para ter uma ideia de como isto funciona, considere a palavra talo, a qual significa casa. As suas outras formas incluem: talo-n (possessivo e objecto direto: da casa), talo-a, talo-ja (partitivo singular e plural: alguma/s ou qualquer/quaisquer casa/s), talo-ssa, talo-sta, talo-on (casos internos indicando localização e direção: dentro da casa, de dentro da casa, para dentro da casa), talo-lla, talo-lta, talo-lle (casos externos: em cima da / em casa, para fora da casa, para a casa), taloksi, talona, talo-tta (tornando-se numa casa, sendo uma casa, sem uma casa), talo-ineen, talo-in (com a sua casa, por meio de uma casa).

A riqueza das formas flexionais no finlandês – como também acontece em algumas outras línguas – aumenta-se pelo fato de os verbos se conjugarem em todas as pessoas: istu-n, istu-t, istu-u, istu-mme, istu-tte, istu-vat (eu sento-me, tu sentas-te, ele/ela senta-se, nós sentamo-nos, vocês sentam-se / você/o Senhor/a Senhora senta-se, eles sentam-se). O sufixo pessoal junta-se à raiz do verbo, tal como o tempo e o modo do verbo.

O fato de a gramática ser muito lógica facilita a aprendizagem de finlandês. Também, muitas coisas que parecem estranhas à primeira vista explicam-se pela história da língua. Neste sentido o finlandês é semelhante à matemática. Este desafio intelectual fascina muitos estudantes. Não obstante, ninguém precisa de ser matemático para conseguir estudar o finlandês!

Um outro fato que facilita a aprendizagem é que às palavras finlandesas falta o gênero. Tanto ao homem como à mulher refere-se com o mesmo pronome do singular da terceira pessoa, hän. As palavras não têm formas definidas e indefinidas separadas e no finlandês não se usa artigos. Também a relação entre a escrita e a pronúncia é clara, uma vez que o mesmo fonema escreve-se sempre com a mesma letra.

Diz-se que a língua finlandesa é melódica. A principal razão disto é que as palavras finlandesas contêm muitas vogais. O finlandês é de facto a única língua europeia em que um texto normal contém mais vogais do que consoantes. As vogais podem ser curtas ou compridas (sivu / siivu – página / fatia); além disso, o finlandês contém muitos ditongos (ai, ei, iu, ou etc.). Na língua finlandesa domina a harmonia das vogais; quer dizer que numa palavra não composta apenas podem aparecer vogais anteriores (ä,ö,y; köyhä – pobre) ou vogais posteriores (a,o,u; vauras – próspero).

O finlandês tem relativamente poucas consoantes, mas quase todas podem aparecer dentro de uma palavra tanto numa forma curta como numa forma comprida. As palavras raramente começam ou terminam com combinações de consoantes. Quando muitas palavras de origem estrangeira começam com tais combinações, o finlandês geralmente apenas aceita a última das consoantes: por exemplo, a forma finlandesa do estrangeirismo germânico strand é ranta (margem). Excepções à regra são estrangeirismos mais recentes como presidentti e stressi (presidente, stress). São poucas as consoantes que podem terminar uma palavra. Por isso, no finlandês é muito comum acrescentar uma vogal aos estrangeirismos que originalmente terminavam com consoantes (filmi, posti, pankki – origem em sueco: film, post, bank).

A duração de um som altera o significado da palavra. Isto vê-se nas variações dos verbos tulla (vir) e tuulla (fazer vento): tule / tulee / tullee / tuule / tuulee / tuullee (vem! / ele/ela vem / ele/ela provavelmente vem / faz vento!/sopra! / faz vento / provavelmente fará vento).

Naturalmente, nenhuma língua vive completamente isolada e sem influências das outras línguas. Os contatos dos finlandeses com as línguas indo-europeias dos países vizinhos estão visíveis no vocabulário. O finlandês contém palavras de origem báltica, germânica e eslávica de várias épocas. Ao longo dos anos o sueco tem influenciado mais o vocabulário finlandês. Graças à invasão da moderna cultura de comunicação, o finlandês contemporâneo por sua vez está a ser influenciado particularmente pelo inglês.

Do ponto de vista da linguística o finlandês é interessante por ser conservador: por exemplo, muitas palavras de origem germânica têm sobrevivido no finlandês depois de já terem desaparecido das línguas de origem.