Segundo o Guinness, é o militar aposentado norte-americano Gregg M. Cox, capaz de ler e escrever em 64 línguas (14 delas com fluência) e 11 dialetos.

Segundo o Guinness, é o militar aposentado norte-americano Gregg M. Cox, capaz de ler e escrever em 64 línguas (14 delas com fluência) e 11 dialetos. Mas há também casos extraordinários que não foram registrados no livro dos recordes. O catarinense Carlos Amaral Freire, de 82 anos, já estudou 135 idiomas. “Há mais de 50 anos, aprendo dois novos por ano. Mas não tenho a vaidade de ser o maior poliglota do mundo”, diz. “Só para conversar com a minha família eu preciso de cinco línguas: basco, espanhol, italiano, grego e português.” Ele é autor do livro Babel de Poemas, com textos traduzidos de 60 línguas diferentes para o português. Recentemente, estudou baixo alemão (falado no norte da Alemanha) e siciliano e revisou outras cinco línguas.

Ah, e uma curiosidade extra: quem fala mais de seis línguas fluentemente é chamado de “hiperpoliglota”.

Publicado por Felipe Branco Cruz em Mundo Estranho