Dentre os vocábulos que os árabes nos legaram, a grande maioria é facilmente identificável, pois começa pelos prefixos al- (correspondente ao artigo definido árabe o) ou od- (que significa rio).

Em todas as áreas do saber existem, em português, termos derivados do árabe, testemunho da sua passagem pelo território português durante perto de cinco séculos.

A língua espanhola é a língua europeia com um maior número de palavras de origem árabe, logo seguida da língua portuguesa. É comum dizer-se que todas as palavras portuguesas começadas por “al” têm origem árabe, o que não é, de todo, verdade, ainda que assim aconteça com uma grande parte delas.

Efetivamente, a língua portuguesa foi francamente enriquecida devido à passagem dos árabes pela península ibérica, especialmente nas áreas técnicas (artesanato, agricultura, etc).

Os numerais árabes são os mais utilizados na cultura ocidental (incluindo os países lusófonos) – mas, excetuando em alguns países do norte de África, na atualidade, a maioria dos árabes utiliza os denominados numerais hindus.

Há vocábulos que não são genuinamente árabes e outros que são árabes mas que não se relacionam diretamente com a chegada da palavra ao vocabulário português. Primeiro, há algo que devemos entender. Muitas palavras que existem hoje no árabe como aliás no português e em todas as línguas modernas, são apenas empréstimos lingüísticos importadas de outras línguas. Vamos tentar entender.

Laca, por exemplo existe no árabe e no português. Mas é uma palavra de origem no sânscrito. Do sânscrito passou para o persa e do persa ao árabe.

A: Abade, acácia, açafrão, acelga, acerola, acertar, achaque, acicate, açoite, açougue, açúcar, açucena, açude, aduana, alambique, alarde, alaúde, alazão, Albuquerque, alcachofra, Alcântara, alcaparra, alcateia, alcatrão, alcatifa, alcatra, alcatraz, alcatruz, álcool, alcorão, alcova, alcunha, aldeia, alecrim, alface, alfafa, alfaiate, alfândega, alfarrábio, alfavaca, alfazema, alferes, alfinete, alforria, algarismo, algarve, algarismo, algazarra, álgebra, algebrista, algema, algodão, algoritmo, algoz, alicate, alicerce, Allá, almanaque, Almeida, almeirão, almirante, almíscar, almofada, almôndega, almotolia, almoxarife, alpargata, alpiste, alqueire, alquimia, alvará, alvoroço, anil, argola, armazém, arroba, arroz, azar, azeite, azeitona, azul, azulejo,

B: bafafá, bairro, beduíno, berinjela, bolota, bússola,

C: Caaba, cabidela, Cáceres, Cádiz, café, cáfila, califa, califado, camelo, cânfora, caravana, cartão, ceifa, celeste, cenoura, ceroulas, cetim, chafariz, cifra, cuscuz

E: elixir, emir (via francesa), emirado, enxaqueca, enxoval, enxovia, espinafre

D: damasco

F: faquir, farda, fulano,

G: garrafa, gaze (através do francês), gazela, gergelim, gibão, Gibraltar, girafa, giz, guitarra,

H: Hamurabi, harém, haxixe, hégira,

I: Islão, Islamismo, islamita,

J: jarra, jasmim (o árabe fez empréstimo do persa), javali,

L: laranja, limão,

M: macabro, maçaroca, magazine, magnetismo, mana, marfim, marroquino, máscara, mascate, masmorra, massagem, mate, matraca, mazela, Meca, Medina, megera, mesquinho, mesquita, moçambique, mocamo, mofo, mourisco, mouros, muçulmano, múmia,

N: nácar, nadir, naftalina, naipe, níquel, nora,

O: otomano, oxalá,

P: papagaio

Q: quibe, quilate, quintal,

R: rabeca, rebite, recife, redoma, refém, rês, resma, rima, romã,

S: safra, sunita,

T: tabuli, taça, tacho, talco (pelo persa), tâmara, tambor, tanque, tara, tarefa, tarifa, tarrafa,

V: varanda, Vargas, vizir,

X: xadrez, xarope, xeque (=xadrez), xeique, xereta, xiíta zarabatana,

Z: zebu, zênite, zero

Abafar: variação de albafar, do Árabe alb’akhar, incenso, nome de um perfume antigo, extraído da raiz da junça.

Açafrão (do árabe az-za’afran, amarelo): foi precisamente pela via árabe que o açafrão penetrou na Península Ibérica. Os árabes tanto utilizavam o açafrão na cozinha – ainda hoje tomam café com cardamomo e açafrão

Açoite (assaut): instrumento com tiras de couro e algumas vezes extremidades pontiagudas, usado com o objetivo de ferir.

Açougue (do árabe as-suq – que quer dizer “mercado”, “feira”): unidade de um segmento comercial destinada a vender cortes e partes de carne, geralmente suína e bovina.

Açucena (assusana)

Açude (do árabe as-sudd, “represa, obstáculo”): construção destinada a represar águas, em geral para fins de irrigação; barragem.

Açúcar: A palavra açúcar tem sua origem primitiva no termo sânscrito sharkara que significa “grãos de areia”, “areia grossa”. Chegou à língua portuguesa provavelmente pelo árabe al zukkar.

Aduana (addwana): Alfândega – A palavra aduana deriva de ad-diuân, palavra árabe originária do persa divan.

Alá (al + ilâh, divindade)

Alambique

Alazão: A palavra alazão provavelmente tem origem em al-Hiçân que significa “cavalo”.

Alcachofra (Alkharshof, fruto do cardo manso)

Alcalóide (palavra composta: Árab. alcali + Grego eîdos, forma)

Alcatéia (alkataia, rebanho)

Alcatruz (alkadus palavra composta: Árab. al + Grego kádos, jarro para água ou vinho)

Álcool: O álcool (do árabe al-kohul) é uma classe de compostos orgânicos de fórmula R-OH na qual R é um radical alquila.

Alcorão (Alkuran, a leitura)

Alcova (al-qabu, quarto lateral)

Alecrim (aliklil)

Alface: al-khaç (veio a substituir o latim lactuca, leitosa, leituça, leituga, que por sua vez, derivou o fr. Laitue, o esp. Lechuga , o it. Lattuga e o ing. Lettuce)

Alfafa: al-Hâfa

Alfaiate: al-khayyât

Alfândega: alfunduq

Alfarrábio

Alfavaca: al-habâqa vaso onde se semeia a planta de al-habaq i.é. erva cedreira ? (não é erva cidreira, al-habaq é manjericão)

Alfazema: al-khuzâma

Alferes (alfaris, cavaleiro)

Alforria (palavra composta: Árab. al + Francês feurre, livre) seria simplesmente a palavra árabe al-hurriya (a liberdade da qual temos forro hurr libre)

Algarismo (alkawarizmi, nome do matemático árabe Abu Ibn Muça)

Álgebra: Vem de al-jabr, ou “a arte de reunir ossos quebrados ou deslocados”. Sua passagem da medicina para a matemática se deu com o livro Al-jabr w’al muqabalah, publicado no ano 825 pelo matemático Al Khwarizmi (cujo nome nos deu o vocábulo “algarismo”). De resto, o significado original de al-jabr ingressou também no espanhol, que chamava de algebrista o cirurgião-barbeiro especializado em remendar ossos quebrados ou luxados, como se pode ler no Dom Quixote, de Cervantes.

Algema (aljami’a, pulseira)

Algodão (alkutun)

Algodoeiro

Algoritmo

Algoz (al-gozz, membro de uma tribo que recrutava carrascos)

Alicate (allikkát, tenaz)

Almanaque (almanakh) – Tem várias hipóteses para sua origem. Do Árabe al-manakh, que era o lugar onde os nômades se reuniam para rezar e contar as experiências de viagens ou notícias de terras distantes é uma delas. [Leia mais em “De onde vem a palavra almanaque]

Almofada (almukhadda de khadd, face)

Almofariz

Almôndega (albundeca, avelã) tipo de papa preparada a base de cereais que se comia misturada com gordura (azeite ou manteiga)

Almoxarifado

Almoxarife

Alquimia: A palavra alquimia vem do árabe, Al-Khemy, que quer dizer “a química”. Sua origem perde-se no tempo, apenas sabemos que existiram alquimistas na China milenar, bem como na Índia.

Alvará: al-barã’a – carta de autorização

Armazém: al-Makhzan

Arroba: unidade de peso. Vem de ar-rub, a quarta parte, porque correspondia a essa fração de um quintal, outra medida antiga. A equivalência em quilos e em litros varia muito, dependendo da região e dos materiais medidos. Nos países de língua espanhola ela vale algo como 11,5 kg, enquanto no Brasil e em Portugal são 14,79 kg – mas no comércio de carne bovina o valor é arredondado para 15 kg.

Como era usado o símbolo @ para representá-la, este ficou sendo, nos países ibéricos, o nome do sinal usado mundialmente nos endereços eletrônicos. (O original inglês quer dizer at, em, termo bem mais apropriado para endereços.)

Arroz

Arsenal: tarsãna

Aládesignação de Deus entre os muçulmanos, vem do Árabe Al-Ilah.

Auge: Auj’ – o topo; óptimo

Azar: azzahr (sorte) – Vem de az-zar, flor – significando, na verdade, dado ou jogo de dados, porque esses cubos tinham a figura de uma flor onde hoje temos o seis.

Pela ligação óbvia do dado com a ideia de probabilidade, o termo passou a indicar o elemento imprevisto nos acontecimentos. Embora abrangesse tanto a boa quanto a má sorte (como no francês hasard, acaso), no português moderno indica principalmente sorte contrária. Na Espanha, porém, até hoje chama-se de azahar a flor branca da laranjeira.

Azeite (substitui óleo, óleo de oliva)

Azeitona (substitui o latim oliva)

Azimute: assimt (é a marcação em graus da posição de um astro no horizonte, medido do polo ao equador )

Azenha: moinho de roda movido por água

Azul: al-lzaward (empréstimo árabe do persa ljward, lat. lapis lazuli, a pedra lazurita)

Azulejo: al-zuleij (pedra pintada)

Banana: vem do Árabe banana, “dedo”, devido à sua forma.

Bafafá: bafaf (bolo)

Bolota

Café

Canudodo Moçárabe cannut

Cáfila

Califa

Califado

Ceifa

Ceroulas

Chafariz

Cifra

Cotovia (al-kutubia, a livraria)

Catarina

Celeste

Damasco

Elixir (Al-Axir)

Emir (Amir)

Escabeche (Sikbaj)

Esmeralda (zumúrrud)

Fulano: vem do árabe fulân (“tal”).

Garrafa (karafâ, frasco bojudo)

Harém (Harim)

Haxixe (Hashish;maconha)

Imã (imam, guia)

Islão (Islã, Islame)

Javali (jabali)

Laranja (naranj deriva do Persa naräng) [leia mais]

Laranjeira (naranj deriva do Persa naräng)

Limão (laimun deriva do Persa limun)

Limoeiro (laimun deriva do Persa limun)

Marabuto: Murâbit santo que se dedica ao ribât i.é à guerra santa ou à vida religiosa dentro de um ribât (local de meditação religiosa ou de fronteira para proteger as terras do Islão)

Masmorra (matmura, celeiro subterrâneo)

Matraca (mitraka)

Mesquita (masdjid)

Maomé (original: Muhammad. Também Maomet. Outrora: Maomede, Mafoma, Mafamede)

Nora (na’ûra)

Oxalá (in sha allah ou inshallah, se Deus quiser)

Papagaio

Resma

Safra (safaria, estação da colheita)

Sultanato (sultan, domínio, dominador)

Sultão (sultan, domínio, dominador)

Tabaco: originado no Árabe tabbaq.

Tambor (tanbur deriva do Persa dänbära, cítara)

Xadrez (xatranj deriva do Sânscrito xaturanga, que consta de quatro membros)

Xarope (sharab, bebida, poção)

Xaveco (xabbak, pequeno navio de três mastros e velas latinas)

Xerife

Xeque

Xeque-mate

Zarabatana

Zenite