Alemão é indivíduo natural ou habitante da República Federal da Alemanha (Europa) e uma língua indo-europeia do grupo germânico falada nesse país e em países vizinhos (Áustria, Suíça, Bélgica etc.), são identificados três sub-grupos: alemão moderno, alto-alemão, alto-alemão moderno.

Origem da palavra “alemão”

A palavra alemão vem do Latim Alemannus, no plural Alemanni, é uma palavra de origem germânica que significa “todos os homens”. Em inglês, German vem do latim Germanus, irmão (a partir de germen, broto, botão), mas foi ampliado com um significado de “vizinho”, “povo vizinho”, “irmão dos romanos”.
Já a palavra Deutsch (alemão em alemão) vem do proto-germânico þiudiskaz (do povo, popular), forma adjetiva derivada de þeudo (povo). Tysk e provavelmente tedesco tem a mesma origem. A palavra dutch (referindo-se ao holandês em inglês) é cognata também.
Német, немецкий, vem do proto-eslavo němьcь (estrangeiro, não-eslavo), a partir de *němъ (mudo), possivelmente se referindo ao fato de não saberem falar eslavo.

Alemão em outras línguas

Português: alemão
Inglês: german
Alemão: deutsch
Japonês: doitsu
Italiano: tedesco
Dinamarquês: tysk
Estoniano | Finlandês: saksa
Húngaro: német
Turco: almanca
Russo: немецкий
Grego: γερμανικά

Origem da palavra “Alemanha”

O termo Alemanha nos chegou diretamente do latim Alamannia, “terra dos alemães”, a mesma matriz do espanhol Alemania e do francês Allemagne – e também do inglês Almaine, que caiu em desuso perto do fim da Idade Média.
A origem da palavra latina é Alamanniz, termo do germânico antigo, ramo linguístico que veio a dar em inúmeros galhos, entre eles o alemão, o holandês, o inglês e as línguas escandinavas. Alamanniz é semanticamente controverso: há estudiosos que veem na palavra o sentido de “todos os homens” (all men, em inglês moderno), o que sugere uma congregação de diversas tribos, enquanto outros apostam no significado de “estrangeiros” – o que de alguma forma a ligaria ao elemento de composição latino alien.

O latim tinha outra palavra para designar a terra daqueles povos do norte: Germania.

Consta que Júlio César foi o primeiro a empregar o termo germanus em referência a um grupo de tribos do nordeste da Gália (aproximadamente na fronteira atual entre França e Alemanha). Mais tarde Germania passou a designar um vastíssimo território, inclusive aquele ao leste do rio Reno e ao norte do Danúbio, de bordas orientais meio difusas, que não estava sob o controle do Império Romano.

Naquela Germânia caberia no futuro, além de Alemanha, Holanda e partes da Bélgica e da França, até a Polônia. No entanto, foi ao povo alemão que o sentido moderno da palavra germânico se restringiu. Sua origem é incerta, provavelmente gaulesa, mas não tem relação alguma com o latim germanus, “irmão”, de idêntica grafia. German vingou em inglês a partir do século XV, vindo a substituir por completo Almain e Dutch (na acepção de alemão).

O alemão Deutsch e o inglês Dutch são aparentados, ambos descendentes de um termo germânico arcaico, theudo, que significava “popular, nacional” – o mesmo em que o latim foi buscar a palavra teutonicus, que também frutificou entre nós para acrescentar mais um vocábulo a essa salada. No início do século XVII, o inglês encontrou para Dutch, vocábulo que a adoção de German tinha tornado meio ocioso, um novo uso com o sentido de holandês.