Pronomes pessoais são as palavras que usamos para nos referir a pessoas. No português brasileiro são: eu, tu/você, ele, ela, nós/a gente, vocês, eles, elas. Em islandês:

PessoaIslandêsPortuguês
ÉgEu
ÞúTu, você
HannEle
HúnEla
Það
ViðNós
ÞiðVós, vocês
ÞeirEles
ÞærElas
Þau

No emprego da terceira pessoa do plural, deve-se atentar para os seguintes pontos:

Se todos as pessoas e/ou objetos dos quais se fala forem masculinos, usa-se þeir.
Se todos as pessoas e/ou objetos dos quais se fala forem femininos, usa-se þær.
Em outros casos, usa-se þau.

O pronome pessoal það é o usado para referir-se a substantivos neutros, análogo ao it inglês, o es alemão, o het holandês etc. Ele também se usa em situações em que nós suprimimos qualquer pronome, como em “Choveu todo o céu na hora do casamento”. Note que o verbo ‘chover’ foi conjugado sem substantivo, o que, de modo geral, não ocorre em islandês.

O pronome þau é a forma plural de það, e é usado quando nos referimos a um grupo de pessoas no qual há indivíduos do gênero masculino e feminino: “Carlos e Bárbara estão chegando. Eles (þau) provavelmente trazem vinho e carne”. É útil também vermos já de agora as declinações dos pronomes pessoais, posto que as formas mostradas acima estão “no nominativo”:

NominativoAcusativoDativoGenitivo
égmigmérmín
þúþigþérþín
hannhannhonumhans
húnhanahennihennar
þaðþaðþvíþess
viðokkurokkurokkar
þiðykkurykkurykkar
þeirþáþeimþeirra
þærþærþeimþeirra
þauþauþeimþeirra

Cumpre ainda expor duas formas que têm usagem limitada, pois são pronomes de caráter formal:

vér (við)Þér (þú ou þið)
nomvérþér
accossyður
datossyður
genvoryðar

Mas ao se dirigir a pessoas mais velhas, þú e þið podem ser livremente usados:

Er satt að þú sért 90 ára gömul?
É verdade que a senhora tem 90 anos de idade?

Há dois tipos interessantes de construção em islandês envolvendo os pronomes pessoais. A primeira está inserida no campo das construções que denotam afeição, aquelas que usamos para distinguir certas pessoas pelo maior grau de carinho que lhes dispensamos.

Consiste em empregar os pronomes pessoais antes do substantivo (ou do nome da pessoa), e não tem correspondência exata com a língua portuguesa. Observe:

Þetta er peysan hans Hauks.
Este é o suéter de Haukur.

Það er alltaf fínt að vera hjá henni Maríu.
É sempre bom estar com Maria.

Ég var að tala við hann pabba.
Eu estava falando com papai.

Lembre-se que esse tipo de construção revela forte ligação afetiva entre o locutor e o referido. A segunda construção envolvendo os pronomes pessoais é ainda mais interessante. Usa-se somente no plural e consiste justamente em suprimir um dos pronomes no singular e a conjunção ‘e’, pondo no lugar o pronome pessoal plural correspondente:

Við Ásdís fórum þangað.
Eu e Ásdís fomos lá (lit. Nós Ásdís fomos lá)

Þið amma eru sætar.
Você e vovó são doces (lit. Vocês vovó são doces)

Þau Haukur féllu.
Ela e Haukur caíram (lit. Eles Haukur caíram)

Deve-se admitir que essa construção é, além de original, bastante intrigante. Perceba que é como se precisássemos fazer uma subtração:

Við (nós) – Ásdís = ég (eu) → Eu e Ásdís…
Þið (vocês) – amma = þú (você) → Você e vovó…
Þau (eles) – Haukur – hún (ela) → Ela e Haukur…

Se não lhe pareceu clara a explicação (e seria coisa naturalíssima), reveja os exemplos e tente você mesmo compor suas próprias frases, a partir das explicações. Quando estudar as preposições, tenha bastante cuidado com a preposição við: para as construções da forma mencionada acima, o við usado é o pronome pessoal equivalente a ‘nós’, portanto não decline a palavra seguinte.

O pronome það, neutro como já visto, desempenha a função impessoal em islandês. Mas cuidado, diferentemente do que ocorre em inglês, ele não é usado para se referir a qualquer ser inanimado ou nada do tipo: cada substantivo tem seu gênero e, como em português, o pronome pessoal deve corresponder a ele (ou seja, hann para masculino, hún para feminino e það para neutro).

Uma construção simples em que o það toma parte é a que se refere ao conceito de existência (para o qual usamos os verbos ‘haver’, ‘ter’, ‘existir’). Para indicar que algo existe, simplesmente dizemos það er (singular) ou það eru (plural):

Það eru tvær vændiskonur á götunni.
Há três prostitutas na rua.

Það er barn að leika sér á götunni.
Tem uma criança brincando na rua.

Se, por qualquer motivo, a ordem da frase mudar (e você estudará esses efeitos mais à frente), o það obrigatoriamente desaparece:

Er eitthvert barn að leika sér þar?
Há alguma criança brincando lá?

Í gær voru fimm Ítalir hérna.
Ontem tinha cinco italianos aqui.

Tente memorizar essa regra; ela é mais importante do que possa parecer agora e continue estudando a língua islandesa, pois sem dúvida será algo muito enriquecedor.

Fonte: Guia elementar de Língua Islandesa para brasileiros – Por Celso R.S. Melo