Alguma vez você teve a sensação de compreender instintivamente o significado de uma palavra em outro idioma, até mesmo de um idioma que você nunca tenha falado ou que alguém tenha te ensinado?

O cientista Madhuvanthi Kannan, da Universidade de Yale nos Estados Unidos, afirma que existe uma explicação para isso acontecer, e tem a ver com a forma que nosso cérebro foi desenvolvido.

Na verdade, quando somos crianças, o nosso cérebro está em melhor harmonia com o entendimento de ‘simbolismo auditivo’ que quando somos adultos, e se perde uma grande quantidade desta capacidade a medida que vamos envelhecendo e também quando aprendemos nosso primeiro idioma.

Kannan afirma que a maioria de nós, somos realmente capazes de adivinhar o significado correto de palavras desconhecidas quando se administra duas palavras e dois significados.

“A mesma tendência permanece para palavras que não existem. Nosso cérebro as codifica utilizando como parâmetro o som destas palavras.” diz Kannan.

Mas, por que isso acontece? Investigadores explicam como o ‘simbolismo auditivo’, é suficiente para darmos uma ideia de seu significado, devido a forma em que nossa mente realiza mapas de sons dando um significado a cada um deles.

A sinestesia é um fenômeno que afeta cerca de 1% das pessoas ao redor do mundo, onde a estimulação de uma via sensorial ou cognitivo leva a uma resposta involuntária em outro sentido ou via cognitiva. No caso da linguagem, uma pessoa com essa capacidade, pode ouvir uma palavra falada e automaticamente ver uma cor, ou experimentar um sabor ou cheiro.

Pesquisadores decifraram que tanto os sinestésicos (alguém que experimenta sinestesia) e os não-sinestésicos eram bons adivinhadores de palavras desconhecidas, mas os sinestésicos eram melhores, o que sugere que a sinestesia e o ‘simbolismo auditivo’ de alguma maneira estão vinculados.

“A medida que vamos nos especializando em nossa língua materna, estas conexões do cérebro se fortificam e fazem diminuir a nossa sensibilidade para línguas estrangeiras” diz Kannan.