O Natal italiano é rico em tradição e é mais fiel à origem cristã do feriado do que é observado na maioria das culturas dos países ocidentais. Embora o comércio, Papai Noel e uma elaborada troca de presentes tenham adentrado no natal italiano moderno, grande parte dos italianos ainda celebra os costumes em torno do nascimento de Jesus no Natal.

O Natal italiano não é somente um dia de comemoração do nascimento de Cristo, mas uma temporada inteira de festividades que começa no dia 8 de dezembro com a Concepção Imaculada, um dia santo católico romano, e termina no dia 6 de janeiro, com Epifania. Vários dias de santos são comemorados durante a temporada de Natal italiana, todos relacionados ao nascimento de Cristo e à chegada dos Reis Magos.

Uma das tradições italianas antigas é a abertura das festividades pelos “Piferari“, ou banda de pífaros. Eles descem das montanhas de Abruzzo e Latium tocando e convidando para as festas, com seus sons característicos, enchendo o ar de alegria em antecipação à celebração.

Presépio

A noite de Natal tem a forte tradição do Presépio, construído de figuras artesanais e com sofisticação. Os presépios mais belos são construídos nas igrejas e algumas vezes há uma concorrência para possuir o presépio mais bonito. O povo vai de igreja em igreja para comparar e se deliciar com as miniaturas da cena do nascimento de Cristo, que geralmente assume grandes espaços e engenhosidade de movimentos das figuras. Muitos artesãos gastam anos construindo um presépio. Nas casas também monta-se o presépio, e somente na noite de natal coloca-se a figura do Jesù bambino.

Ceia de Natal

Na maioria das localidades, a ceia de Natal consiste de peixe. Em Roma, o prato tradicional da noite de Natal é o Capitone, uma enguia grande, assada ou frita. Ao norte de Roma, os pratos tradicionais são a carne de porco, linguiça com pernil e lentilhas, ou peru com castanhas. Comuns também são os doces de Natal. O Panetone, o Torrone e o Panforte – pão de gengibre com avelãs, mel e amêndoas. Todos os biscoitos, bolos e doces italianos contêm amêndoas e outras nozes. Tradições camponesas defendem que a ingestão de nozes favorece a fertilidade da terra e ajuda a criar os laços de família.

Pratos típicos

Tortelini in brodo

O tortellini é mais conhecido no Brasil como capeleti. – Na Emilia Romagna, berço das massas caseiras, não pode faltar na Ceia de Natal um bom prato de tortelini feito com massa de ovos clássica, recheada com carne (carne de porco moída e carne de vitelo), mortadela, presunto, ovos, queijo parmesão, noz-moscada e cozidos em caldo de cappone (um tipo de galo). Com o nome de Capeleti, são o destaque de 25 de dezembro das ceias na Umbria, Marche, Toscana e Lazio.

Lasagna

A lasagna é um prato muito apreciado por nós brasileiros durante todo o ano, mas na Itália é destaque no Natal. Seja ela a Bolognesa, com carne picada e molho bechamel, ou napolitana, com ricota, mussarela e almôndegas, a lasanha é um prato escolhido por muitas famílias no Natal, em todos os cantos da península.

Minestra maritata

O “casamento” entre a carne e os vegetais é a base dessa sopa, que remete ao domínio espanhol no Reino de Nápoles. Em 1628 Bartolomeu Zito, em comentário ao epicômico poema Vaiasseide, de Giulio Cesare Cortese, traz uma receita muito rica, feita com ossos de presunto, peru, frango, vitelo, salsicha, pequenas endívias, chicória, brócolis e repolho. Nas famílias mais pobres as partes menos nobres do porco também eram usadas, como as bochechas e orelhas (itens famosos na culinária brasileira, presentes nas tradicional feijoada).

Ainda hoje, a Minestra maritata está presente nas mesas de Natal de Campânia e da Calábria – aqui com a adição de feijão – mas muito frequentemente seguindo procedimentos mais leves do que o original, escolhendo, por exemplo, apenas a carne de frango e excluindo as partes pouco nobres do porco.

Bacalhau

O bacalhau no Brasil é mais tradicional no período da Semana Santa, onde as carnes vermelhas não são consumidas pelos católicos. – Na Itália, ele é o príncipe das mesas de Natal, e é consumido em muitas regiões no jantar no dia 24 de dezembro. É preparado de várias formas: frito como em Lazio e Campânia, guisado – com tomate cereja, azeitonas pretas, alho e alcaparras – como na Puglia, Basilicata e cozido com passas, orégano, pinhões e nozes como em Molise, ou com polenta como no Veneto.

Cappone

O cappone pode ser comparado ao nosso “Peru de Natal”, presente na grande maioria das mesas das famílias brasileiras na noite de Natal. Na Itália ele é bem presente na Lombardia, na Toscana, Umbria e Liguria, onde é servido cozido. No Piemonte e em Marche, é servido assado, forma mais comum aqui no Brasil também.

Panetone

O Panetone é original de Milão, e é a sobremesa típica muito difundida na Itália e no Brasil. É uma tradição do Natal italiano que nós herdamos. – No período que antecede o Natal, as prateleiras dos supermercados ficam repletas de panetones de todos os tipos, de diferentes marcas e preços, novos sabores e combinações ousadas surgem a cada ano: recheado com chocolate, cremes e trufas, sem passas..

Pandoro

O Pandoro é a representação do Natal em um bolo doce e fofinho.  A preparação da Pandoro é muito longa e complexa, que leva cerca de dois dias até ficar pronto. Mas hoje já é possível encontrar receitas de Pandoro mais simples e rápidas para oferecer à família e aos amigos durante almoços e jantares de Natal.

Biscoitos de gengibre

Os biscoitos de gengibre são muito comuns nos países europeus, ficaram famosos depois do filme Shrek, com o homem biscoito. Eles são preparando especialmente na época do Natal para serem pendurados na árvore de Natal. – Em Inglês eles são chamados de gingerbread man, e podem ter várias formas: estrelas, casas, sinos e ícones de Natal em geral, mas a forma mais característica é certamente a de humano.

La Befana

As crianças italianas escrevem cartas e as escondem nas chaminés, para que La Befana as recolha. As cartas e ofertas são listas de brinquedos ou outros itens que desejam e pedem. La Befana, tradição tipicamente italiana, ainda não foi substituída pela figura de Babbo Natale (Papai Noel). La Befana, muitas vezes, aparece nas ruas como uma pessoa mascarada, acompanhada de seu consorte, Befano, guiando um bando de seguidores que recebem ofertas das famílias e, em troca, recebem o presente da prosperidade das bênçãos dadas pela Befana.

Na Roma antiga, o mel era ofertado nessa época do ano para que o novo ano fosse doce. Os presentes das crianças são trazidos pela Befana, comemorada no dia 5 para 6 de janeiro. La Befana, também chamada de Strega ou Vecchia, é personagem mítica com aspecto de velha, que leva presentes para as crianças bem-comportadas e carvão para as mal-comportadas.

A origem descende de uma tradição pré-cristã, de base na cultura popular. Montada em uma vassoura, La Befana leva um saco de brinquedos, chocolates e caramelos. Ela passa sobre as casas deixando os presentes no caminho cheio de calçados deixados pelas crianças. Os presentes são colocados nas meias penduradas nas lareiras ou nos sapatos deixados perto da porta.

Vocabulário Natalino

Stella Cometa – Estrela de Natal
Angelo – Anjo
Pupazzo di neve – Boneco de neve
Coro Natalizio – Coral Natalino
Dolce di Natale – Bolo de Natal
Renne e Slitta – Renas e Trenó

Il panettone – Panettone
Il pandoro – Pandoro*
Gli addobbi natalizi – Enfeites de Natal
L’albero di Natale – Árvore de Natal
Babbo Natale – Papai Noel
La tombola – Tômbola**
I regali – Presentes
Il presepe – Presépio
Cotechino e Lenticchie – Codeguim e Lentilha***

* Pandoro é um doce típico de Verona, consumido principalmente durante o Natal.
** Tômbola é o mesmo que Bingo.
*** Cotechino (codeguim aqui no Brasil) é um embutido originário da região de Modena – Emiglia Romagna, no norte da Itália.

Fontes:

8 pratos da ceia de Natal Italiana – Pesquisa Italiana
Natal na Itália – Parlando d’Italia
Sobre o Natal italiano – Escrito por Christie Leman
Cotechino e Lenticchie – Oba gastronomia