Este artigo faz parte da série As Regras Fundamentais do Esperanto. As primeiras oito regras se referem às principais classes de palavras. Muitas de suas características estão presentes no Esperanto e nas demais línguas modernas.

Verbos

A palavra utilizada para expressar uma ação é o verbo, que coloca esta ação em um determinado tempo e serve para ligar quem pratica a ação à ideia que sofre essa ação:

Em português, os verbos possuem quatro tipos de terminações:

AR: dançar / ER: comer / IR: dormir / OR: por

Estas ações não estão associadas ao tempo, como se estivessem localizadas em um tempo infinito. Os verbos dessa forma, portanto, caracterizam o modo infinitivo.

Em Esperanto, todo verbo no modo infinitivo termina com a vogal I:

Dançar: DANCI / Comer: MANĜI / Dormir: DORMI / Por: METI

Para associar o verbo a um tempo, são utilizados três finais diferentes. Vejamos os exemplos com o verbo ESTI (que significa “ser”, “estar” ou “haver” na forma impessoal).

ESTAS = verbo ESTI no tempo presente.

ESTIS = verbo ESTI no tempo passado.

ESTOS = verbo ESTI no tempo futuro.

Para expressarmos quem pratica a ação, devemos fazer uso dos pronomes básicos e colocá-los antes do verbo no respectivo tempo:

ESTAS

  • Mi estas = Eu sou; eu estou
  • Vi estas = Você é; você está
  • Li estas = Ele é; ele está
  • Ŝi estas = Ela é; ela está
  • Ĝi estas = Ele/ela é; ele/ela está
  • Ni estas = Nós somos; nós estamos
  • Vi estas = Você é; você está
  • Lli estas = Ele é; ele está

ESTIS

  • Mi estis = Eu era/fui/fora; eu estava/estive/estivera
  • Vi estis = Você era/foi/fora; você estava/esteve/estivera
  • Li estis = Ele era/foi/fora; ele estava/esteve/estivera
  • Ŝi estis = Ela era/foi/fora; ela estava/esteve/estivera
  • Ĝi estis = Ele/ela era/foi/fora; ele/ela estava/esteve/estivera
  • Ni estis = Nós éramos;fomos/fôramos; nós estávamos/estivemos/estivéramos
  • Vi estas = Vocês eram/foram/foram;  vocês estavam/estiveram/estiveram
  • Lli estas = Eles/elas eram/foram;foram; eles/elas estavam/estiveram/estiveram

ESTOS

  • Mi estos = Eu serei; eu estarei
  • Vi estos = Você será; você estará
  • Li estos = Ele será; ele estará
  • Ŝi estos = Ela será; ela estará
  • Ĝi estos = Ele/ela será; ele/ela estará
  • Ni estos = Nós seremos; nós estaremos
  • Vi estas = Vocês verão; vocês estarão
  • Lli estas = Eles/elas serão; eles/elas estarão

Apenas quando o pronome está junto ao verbo é que podemos expressar quem pratica a ação. Quando o verbo está associado ao tempo, expressamos apenas o tempo verbal:

  • AS = tempo presente do verbo
  • IS = tempos pasados imperfeitos, perfeito e mais-que-perfeito do verbo
  • OS = tempo futuro do presente do verbo

Porém, quando o pronome se liga ao verbo, construímos a conjugação verbal em Esperanto. Você deve ter notado que um verbo associado a determinado tempo (presente, passado ou futuro) é colocado após todos os pronomes básico. Isso acontece por que em Esperanto não há verbos irregulares! Um verbo no infinitivo pode receber qualquer um dos finais relacionados a tempo e ser conjugado junto a qualquer um dos pronomes. Basta aprender como se organiza a conjugação de um dos verbos e aplicar o modelo para todos os demais.

Além do modo infinitivo, temos outro modo, o condicional, pois indica condição:

ESTUS

  • Mi estus = Eu seria; eu estaria
  • Vi estus = Você seria; você estaria
  • Li estus = Ele seria; ele estaria
  • Ŝi estus = Ela seria; ela estaria
  • Ĝi estus = Ele/ela seria; ele/ela estaria
  • Ni estus = Nós seríamos; nós estaríamos
  • Vi estus = Vocês seriam; vocês estariam
  • Lli estus = Eles/elas seriam; eles/elas estariam

Há ainda o modo imperativo, que possui este nome, pois quem pratica a ação faz um pedido ou expressa uma ordem. O praticante da ação impera (dá ordens):

  • Mi estu = *Seja eu; *esteja eu
  • Vi estu = Seja você; esteja você
  • Li estu = Seja ele; esteja ele
  • Ŝi estu = Seja ela; esteja ela
  • Ĝi estu = Seja ele/ela; esteja ele/ela
  • Ni estu = Sejamos nós; estejamos nós
  • Vi estu = Sejam vocês; estejam vocês
  • Lli estu = Sejam eles/elas; estejam eles/elas

Não há necessidade do uso do pronome da segunda pessoa (VI), quando o verbo estiver no modo imperativo:

(Vi) Manĝu! / Coma! Comam!

Para todos os verbos em Esperanto utilizamos apenas seis terminações. Os verbos não se alteram em relação à pessoa (1ª, 2ª ou 3ª) e nem ao número (singular ou plural). Portanto, não há verbos irregulares!

Modo infinitivo (“nome do verbo”, sem conjugação): ESTI / DANCI / MANĜI / DORMI / METI

Tempo presente (ações que estão acontecendo): ESTAS / DANCAS / MANĜAS / DORMAS / METAS

Tempo passado (ações que aconteceram): ESTIS / DANCIS / MANĜIS / DORMIS / METIS

Tempo futuro (ações que acontecerão): ESTOS / DANCOS / MANĜOS / DORMOS / METOS

Modo condicional (ações que aconteceriam): ESTUS / DANCUS / MANĜUS / DORMUS / METUS

Modo infinitivo (ações que expressam ordem ou pedido): ESTU / DANCU / MANĜU / DORMU / METU

Observações

O sistema verbal do Esperanto é simples, comparado ao sistema verbal de outras línguas inclusive o da língua portuguesa. Uma tradução como a que fizemos da expressão MI ESTU (*seja eu; *esteja eu) é possível em Esperanto, mas inaceitável em português, pois não existe primeira pessoa do modo imperativo. Embora simples, o sistema do Esperanto nos estimula a entender melhor o funcionamento do sistema de verbos de nossa própria língua, que possui muitas formas de expressão dos verbos, mas poucos são aqueles capazes de conjugá-las corretamente, porque seu sistema é muito complexo.

Em Esperanto, esse modelo de conjugação facilita o aprendizado dos verbos por ser simplificado, proporcionando economia de tempo no estudo dos verbos.

Há algumas formas nesta língua, que utilizam raízes verbais, porém, não são necessariamente verbos. Eles são como nomes que têm origem nessas raízes, e podem ser escritas com as vogais das outras classes de palavras: são os particípios.

Eles são divididos em ativos, ligados a quem pratica a ação, e passivos, ligados a quem sofre a ação, e estão associados aos tempos presente, passado e futuro. Para cada um há um sufixo específico que deve ser intercalado entre a raiz e a vogal final da classe de palavra:

Particípios ativos:

  • ANT – presente (expressa a ação enquanto acontece)
  • INT – passado (expressa a ação depois de ter acontecido)
  • ONT – futuro (expressa a ação antes de acontecer)

Particípios passivos:

  • AT – presente (expressa a ação enquanto acontece)
  • IT – passado (expressa a ação depois de ter acontecido)
  • OT – futuro (expressa a ação antes de acontecer)

Para entendê-los melhor, vamos usar os verbos LERNI (aprender) e LEGI (ler). As três palavras seguintes significam “aluno”, em português. Porém, em Esperanto cada uma é bem definida, de acordo com o tempo que expressa;

  • LERNANTO – aquele que aprende
  • LERNINTO – aquele aque aprendeu
  • LERNONTO – aquele que aprenderá

Curiosidades

A palavra ESPERANTO significa “aquele que tem esperança” (raiz verbal ESPER = esperar, ter esperança). Como o sufixo do particípio é ativo (ANT), não se pode pensar na palavra “esperançoso” para traduzi-la – esperança passiva. A ideia está mais próxima da palavra *esperançante*, embora ela não existe em português. Deve-se pensar em ESPERANTO como alguém que age, atua na promoção da Língua Internacional, transforma a esperança em ação.

Em geral, o nome da língua é escrito com inicial maiúscula (Esperanto) para diferenciá-lo da palavra formada pela raiz mais o particípio ativo (esperanto). Os particípios podem ser usados com outras classes de palavras. Exemplo:

ESPERANTA libro – Livro de ESPERANTO

Da mesma forma, podemos criar palavras com os particípios passivos:

  • LEGATA Libro – Livro que está sendo lido
  • LEGITA Libro – Livro que já foi lido
  • LEGOTA Libro – Livro que estará para ser lido

Igualmente, podemos usar outras classes de palavras. Vejamos os exemplos com o verbo AMI (amar)

  • AMATO – aquele que é amado
  • AMITO – aquele que foi amado
  • AMOTO – aquele que será amado

Sujeito e Objeto Direto

Vamos tratar de um importante elemento na Língua Internacional. Por exemplo, a frase em português, como “Eu como maçã” faz sentido, pois a ordem das palavras nos permite saber quem pratica a ação de comer (eu) e quem sofre essa ação (maçã). Caso trocássemos as palavras da frase: “Maçã como eu”, o sentido não seria expresso da mesma forma.

Quem pratica a ação na frase é o sujeito. A palavra sobre a qual a ação transitou diretamente o objeto direto, ou seja, o ALVO da ação do verbo.

Eu (sujeito) como (verbo) maçã (objeto direto)

Pensando nisso, Zamenhof, depois de ter observado que as diversas línguas do mundo possuem diferentes maneiras de construir sentido em uma frase, criou um meio, pelo qual o sentido da frase é preservado, independentemente da ordem das palavras, sem interferir na pronúncia do Esperanto. Assim cada cidadão do mundo poderia construir a frase na ordem que lhe fosse conveniente, sem ferir as regras fundamentais da língua.

O objeto foi conseguido com o uso de uma simples letra, no final do objeto direto: a letra N.

Na frase MI MANĜAS POMO, MI é sujeito, pois é um pronome (palavra que substitui o nome), e promove a ação de comer. Não está claro que POMO recebe a ação do verbo MANĜAS, pois diferentemente do português, mesmo estando depois do verbo ele poderia praticar a ação.

Como substantivo, POMO poderia perfeitamente cumprir essa função.

Ao colocar a letra N após a palavra POMO, o problema está resolvido! Agora podemos distinguir sujeito (praticante da ação, sem a letra N) do objeto direto (ideia que recebe a ação diretamente, marcada com a letra N):

MI MANĜAS POMON

E o melhor de tudo: além da pronúncia não se alterar, cada um pode escrevê-la na ordem mais conveniente. Podemos arranjar a frase de seis maneiras, com a mesma tradução (Eu como maçã):

MI MANĜAS POMON

MI POMOMANĜAS

MANĜAS MI POMON

MANĜAS POMOMI

POMOMI MANĜAS

POMOMANĜAS MI

Esta letra N em Esperanto é usada para marcar o acusativo. Este nome se deve ao fato de acusar o objeto direto numa frase, preservando seu sentido, independentemente da ordem das palavras. Ele pode ser colocado também em palavras no plural.

MI MANĜAS POMOJ(eu como maçãs)

Assim, cada palavra possui dois casos: nominativo e acusativo. Exemplo:

POMO = maçã – nominativo (a ideia funciona como sujeito ou predicativo (atributo) do sujeito desta frase.)

POMON = maçã – acusativo (a ideia funciona como objeto direto do verbo, cuja ação transita diretamente sobre ela na frase.)

Observação

O acusativo se aplica, basicamente a substantivos, a adjetivos e a outras palavras (conforme exemplos abaixo), sempre que forem o “alvo” do movimento do verbo (objeto direto).

  • KIU – que, quem, qual (KIUN)
  • KIA – que tipo, que espécie (KIAN)
  • KIO – o quê (KION)
  • TIO – isso, aquilo (TION)
  • TIA – esse/aquele tipo, essa/aquela espécie (KIAN)
  • TIU – esse, essa / aquele, aquela (TIUN)
  • ĈIO – tudo (ĈION)
  • ĈIA – todo tipo, toda espécie (ĈIAN)
  • ĈIU – cada, todo, toda (ĈIUN)

Curiosidade: “Eu te amo”, em esperanto, se diz: “MI AMAS VIN”