Este artigo faz parte da série As Regras Fundamentais do Esperanto. As primeiras oito regras se referem às principais classes de palavras. Muitas de suas características estão presentes no Esperanto e nas demais línguas modernas.

Substantivo

A palavra usada para dar nome a uma ideia é o substantivo. Ela tem esse nome porque, em geral, representa a substância dessa ideia, que se pode tocar, ou não.

MAÇÃ é um substantivo, porque representa uma fruta, algo que se pode tocar e comer.

AMOR também é um substantivo, porque representa um sentimento, mesmo que não possamos tocar.

Em Esperanto, o substantivo é representado pela letra O no final das palavras. A função desta letra é da nome às ideias. Basta achar a letra O no final das palavras para identificar facilmente todos os nomes:

BRAZILO estas NOMO de LANDO. (BRASIL é o NOME de um PAÍS.)

POMO estas FRUKTO. (MAÇÃ é uma FRUTA.)

AMO estas tre bela SENTO. (AMOR é um SENTIMENTO muito bonito.)

Para identificar mais de um elemento, em português, acrescentamos uma letra no final das palavras. A ideia expressa em apenas uma quantidade se chama Singular a ideia expressa em mais de uma quantidade se chama Plural. A letra que marca o plural, em português, em geral é a letra S:

Casa = CASAS
Porta = PORTAS

Nem sempre essa regra funciona em nossa língua. Às vezes temos que fazer algumas alterações nas palavras para colocá-las no plural:

Papel = PAPÉIS (não papels)
Anel = ANÉIS (não anels)
Flor = FLORES (não flors)
Lápis = LÁPIS (não lápiss)
Ônibus = ÔNIBUS (não ônibuss)

Em Esperanto pasta colocar uma simples letra no final de todos os nomes, a letra J:

Papero = PAPEROJ
Ringo = RINGOJ
Floro = FLOROJ
Virino = VIRINOJ
Krajono = KRAJONOJ
Buso = BUSOJ

A letra J (que representa o plural) não altera a pronúncia para palavra. Dessa forma, deve-se pronunciar:

LIBROJ = livros (não LIBROJ)
TABLOJ = mesas (não TABROJ)
KAJEROJ = cadernos (não KAJEROJ)
SEĜOJ = cadeiras (não SEĜOJ)