Na época do Império Romano o território da atual França era chamado de Gália (a terra dos bravos gauleses Asterix e Obelix). O nome do país vem da tribo germânica dos francos, cujo nome significa “homens livres”.

A França é o maior país da União Europeia e o terceiro da Europa, atrás somente da Ucrânia e da gigantesca Rússia.

A língua francesa é falada por 200 milhões de pessoas em 32 países.

As três cores da bandeira francesa simbolizam os ideais da Revolução Francesa Liberdade (Liberté), Igualdade, (Égalité) e Fraternidade (Fraternité). Representam também o poder legislativo, o executivo e o povo.

Chamado de A Marselhesa (La Marseillaise, em francês), o hino nacional foi composto em 1 792 por um oficial do exército chamado Claude Joseph Rouget de Lisle. Ele recebeu esse nome por ter sido popular entre as unidades do exército de Marselha durante a Revolução Francesa.

A França é o país mais visitado do mundo, recebendo anualmente por volta 82 milhões de turistas estrangeiros.

Entre as atrações mais visitadas da França está um cemitério. O cemitério Père Lachaise atrai milhões de turistas – inclusive brasileiros – ávidos por conhecer os túmulos das personalidades lá sepultadas, como o cantor Jim Morrison, o compositor Chopin e o escritor Oscar Wilde.

A França está dividida em 26 regiões administrativas, sendo 22 na parte europeia e quatro ultramarinas. As principais regiões da França continental são: Alsácia, Bretanha, Borgonha, Lorena, Alta Normandia, Baixa Normandia, Provença, Aquitânia, Centro e Córsega, entre outras. A França de ultramar é formada por Guadalupe, Martinica, Reunião e Guiana Francesa.

A Guiana Francesa é um enclave da França localizado na América do Sul. Ela faz fronteira com os estados brasileiros do Amapá e Amazonas.

A cidades mais populosas da França são Paris, Marselha, Lyon, Toulousse, Nice, Nantes, Estrasburgo, Montpellier, Bordeaux e Lille. Paris, a capital, possui mais de 2 milhões de habitantes.

Muitas palavras usadas no vocabulário brasileiro são de origem francesa. Anote aí: ateliê, balé, batom, cabaré, camelô, carnê, chalé, champanhe, complô, filé, garçom, lingerie, maiô, metrô, perfume, pivô, purê, sutiã, toalete e tricô.

Empresas francesas que atuam no Brasil: Renault, Peugeot, Citroen, Rhodia, Carrefour, Danone, Saint-Gobain, Alcatel, Accor, FNAC, Sanofi, Bonduelee, Leroy-Merlin e Michelin.

Os franceses são os maiores produtores e exportadores de vinhos do mundo. Também estão entre os grandes consumidores. Aliás, as uvas consideradas nobres são, em grande parte francesas: chardonnay, cabernet sauvignon, cabernet franc, malbec, merlot, pinot meunier, pinot noir….

Por falar em vinho, você sabia que o autêntico champanhe (que, na verdade, é uma espécie de vinho espumante) é produzido na região de Champanhe-Ardenne, na França?

Queijos. Os franceses são grandes produtores e consumidores do produto. Existem mais de 400 variedades do produto no país. Alguns dos mais conhecidos: Camembert, Roquefort, Brie, Caprice des Dieux e Raclette.

A França é um dos maiores produtores mundiais de produtos de luxo. A empresa voltada para o segmento de luxo mais conhecida é a LVMH, uma grande produtora de bolsas, vestuário, bebidas e jóias. As marcas mais famosas da LVMH são: Louis Vuitton, Moët & Chandon, Don Perignon, Marc Jacobs, TAG Heuer, Hennessy, Veuve Clicquot, Fendi, Donna Karan, Givenchy, Sephora, Marc Jacobs e Kenzo.

Os pintores franceses mais conhecidos são: Nicolas Poussin, Jacque-Louis David, Eugène Delacroix, Gustave Courbet, Jean-Auguste Dominique Ingres, Henri de Toulouse-Lautrec, Paul Gauguin, Paul Cézanne, Auguste Renoir, Claude Monet, Edgar Degas, Georges Braque e outros.

Os franceses desconhecem a receita do nosso pãozinho francês. A receita surgiu no início do século 20, na época da I Guerra Mundial, por encomenda de brasileiros ricos que voltavam de viagem a países da Europa, provavelmente inspirados na baguete francesa. Ela só surgiu no início do século XX e difere da receita do pão europeu por conter um pouco de açúcar e gordura na massa.

Na França, os tradicionais bolinhos de chuva (como são conhecidos no Brasil) são chamados de pet de nonne – algo como “peido de freira”.

A melhor época para visitar a França é de abril a setembro. As temperaturas máximas no verão (entre junho e setembro) chegam, em média, aos 25º C (inclusive em Paris). No Sul, as máximas se aproximam dos 30º C no verão. Só há um problema: é justamente no verão que o fluxo de turistas aumenta, os hotéis ficam cheios, as filas dos museus aumentam…

Publicado em Mais Curiosidade