Para dizer “Eu te amo” em italiano você simplesmente diz: “Ti amo”, mas hoje veremos como dizer “eu te amo” nas outras várias línguas faladas na Itália. Vamos lá?

Lombardo

– Te voeuri ben ou Te voeure ben são as formas mais utilizadas, mas são utilizadas também as variantes “te voeuli ben” e “te voeule ben”. Nos registros mais formais da língua lombarda também é encontrado o verbo “amà”, mas este é mais raro.

O lombardo (nome nativo lombard, lumbard, lumbaart) pertence à família linguística galo-itálica, família que constitui um sistema linguístico distinto em relação ao italiano. A língua lombarda é falada principalmente na Lombardia e em algumas partes orientais do Piemonte.

Falado em: Itália e Suíça

Lígure (Lìgure)

– Te ammo, Ti me piaxi, Te veuggio

O lígure também é uma língua galo-itálica, fala-se essencialmente na Ligúria, em algumas regiões adjacentes (Toscana, Piemonte, Emília-Romanha, e a Carloforte e Calasetta na Sardenha).

Outros nomes: Zenéize
Falado em: Itália, Mônaco, França (Nice e Córsega)
Região: Ligúria e regiões adjacentes
Total de falantes: 2 milhões

Catalão (Catalano)

– T’estimo (padrão), Te vull bé (algherese)

Algherese é uma variação (dialeto) da Língua Catalã falado na cidade de Alghero (L’Alguer em Catalão), ao noroeste da Sardenha, Itália.

Piemontês (Piemontese)

– T’veuj bin

A língua piemontesa (piemontèis na língua piemontesa) é uma língua com mais de dois milhões de falantes no Piemonte (norte de Itália).  O Piemontês pertence ao grupo das Línguas românicas, como o francês, o occitano e o catalão entre outras.

Região: Piemonte
Total de falantes: 2 milhões

Friulano (furlan)

– Ti vul ben, ti vuei ben

A língua friulana é um idioma da família reto-românicas falado na região do Friuli-Venezia Giulia, na Itália. Atualmente falam friulano um pouco mais de 700.000 pessoas em sua região natal. Quase todos conhecem também a língua italiana, assim como o vêneto, nas cidades e na parte ocidental desta região.

As primeiras evidências do friulano, que remonta ao século XIV, são exercícios de tradução do latim e procedem da escola de Cividale. Esta língua possui literatura florescente desde o século XVI e a comunicação entre as variedades dialetais é compreensível, podem-se identificar três sub-variedades.

Região: Friuli-Venezia Giulia
Total de falantes: 600 mil

Napolitano (Napoletano)

– Te voglio bene assaje

Napolitano (Napulitano) é uma língua românica, falada na cidade e na região de Nápoles, Campânia, e também em parte do sul da Itália incluindo algumas zonas do Lácio, Abruzos, Molise, Basilicata, norte da Calábria, e o norte e centro de Apúlia.

Em 1976, havia 7.047.299 falantes nativos (estimativas mais recentes mostram que o número pode ser superior a 7.800.000). Por razões geográficas, históricas e políticas, “napolitano” é o nome dado ao grupo de dialetos falados no sul da Itália, historicamente unidos em torno de Nápoles durante o Reino de Nápoles e o Reino das Duas Sicílias.

Total de falantes: 7,5 milhões

Siciliano

– Ti vogghju beni, Si u me ciatu (você é o meu respiro)

O siciliano (sicilianu) é uma língua românica falada na Sicília e na extremidade meridional da Itália (no Salento e na parte centro-meridional da Calábria). A língua siciliana é distinta o suficiente do italiano comum para ser considerada uma língua diferente, mas reflete culturalmente também a rica história da ilha e do sul italiano, com várias influências da língua grega, latina, e árabe, a normanda, o provençal e o alemão, e a língua francesa, aragonesa, catalã e castelhana.

O siciliano é falado por cerca de 5 milhões de pessoas na Sicília, com sub-variantes dialetais locais. Outras variantes são faladas por 5 milhões na Apúlia (no Salento), Calábria (onde é a língua-mãe de boa parte da população) e no resto da Itália por um número impreciso, mas elevado, de emigrantes.

Falado em: Itália (Sicília, Calábria e Salento)
Total de falantes: 4,7 milhões (nativos, 2002)

Bávaro (Bavarese)

– I mog di fei

O bávaro ou austro-bávaro (Boarisch) é um grande grupo de variações linguísticas do alto-alemão. Embora pertença ao alto-alemão tal como o alemão padrão, não se trata da mesma língua. No entanto, o austro-bávaro e o alemão padrão influenciaram-se mutuamente e a grande maioria dos falantes de austro-bávaro também fala o alemão padrão.

A forma dialetal Austro-Bávara tem suas origens na tribo germânica dos Bávaros, que estabeleceram um Ducado tribal que cobria o que são hoje a Baviera e partes da Áustria, no início da Idade Média. Por influência dos dialetos Românicos dos habitantes pré-germânicos, alguma influência do latim pode ser percebida no léxico e na morfologia.

Falado em: Áustria, Alemanha (Baviera) e Itália (Tirol do Sul)
Total de falantes: 12 milhões

Alemão (Tedesco)

– Ich liebe dich

A língua alemã (chamada de tedesco em italiano) também é falada em algumas regiões da Itália, como Trentino-Alto Ádige, Trentino (Trento), Friul-Veneza Júlia e no Vêneto. Tirol do Sul por exemplo, é uma província autônoma da Itália, que fez parte da Áustria até o final da Primeira Guerra Mundial, e cujos habitantes falam alemão, italiano e ladin, uma língua local.

Francês

– Je t’aime

Viajando pela Itália você também encontrará regiões com forte influência da língua francesa. Regiões como Piemonte, Vale de Aosta, Apúlia e Calábria possuem um expressivo número de falantes do francês.

Occitano

– T’aimi, T’estimi

A língua occitana, também denominada occitânica é uma língua românica falada no sul da França (ao sul do rio Loire), Vales Occitanos, Mónaco, e no Vale de Arão, regiões referidas como Occitânia ou País d’Oc. Também é falado na Guarda Piemontesa. Guardia Piemontese é uma comuna italiana da região da Calábria, província de Cosenza, com cerca de 1.867 habitantes.

Falado em: França, Espanha, Itália, Mónaco
Total de falantes: 800 mil

Emiliano-Romagnolo (Emiliano-Romagnolo)

– A t vói bän

O emiliano-romagnolo é um grupo de duas línguas (ou muitos dialetos) galo-itálicos falados na região italiana de Emília-Romanha e em San Marino. A língua é reconhecida como pertencente às línguas minoritárias europeias desde 1981.

Região: Emília Romanha (Placência, Ferrara, Parma, Régio da Emília, Módena, Bolonha)
Total de falantes: 3 milhões

Sassarese (Turritano)

– Ti vogliu bè

O sassarese ou turritano (sassaresu o turritanu) é uma língua românica que nasceu, segundo alguns especialistas, como língua franca em torno do século XII, com base no toscano-corsa, e com influência das línguas da Ligúria, da Península Ibérica (catalão e espanhol) e também do sardo logudoresi (uma variante da língua sarda). É conhecido academicamente como dialeto sassarese.

É uma língua falada por uma pequena mas populosa região norte da Sardenha, principalmente na província de Sassari, que possui cerca de 453.600 habitantes.

Região: Sardenha
Falantes nativos: 100.000 (censo de 1993)

Arbëreshë (Albanês)

– Të dua

Arbëreshë é uma variante da língua albanesa, falada na Itália e também se refere ao povo de língua albanesa que vive na Itália meridional. Este grupo étnico estabeleceu-se na Itália entre os séculos XV e XVIII. Os arbëreshë conseguiram manter sua identidade e ainda se autodenominam albaneses. Todavia, à diferença da maior parte dos albaneses, majoritariamente muçulmanos, os arbëreshë são católicos, e sua língua foi influenciada pelo italiano mais do que qualquer outro dialeto albanês.

Corso

– Ti tengu caru/cara

Língua corsa ou Corso (Corsu) é uma língua românica, falada na ilha de Córsega, (França), junto com o francês, que é a língua oficial. Um dialeto similar à língua corsa é falado em Gallura, Sardenha (Itália). Ela possui fortes similaridades com o italiano e em particular com dialetos da Toscana. Ela possui bastante similaridades também com o português. Oralmente, muitas palavras do Corso do Norte são mais próximas do português que do italiano. Exemplos: “focu” (pronúncia=fôgo), “basta” (basta), “sò Corsu” (significa “sou Córso”, se pronuncía “só Côrsu”), “cugnata” (pronúncia=cunhada), entre outras.

Outros nomes: Córsico
Região: Córsega, Sardenha
Total de falantes: 100 mil

Veneto

– Te vojo ben

O vêneto ou veneziano (na variante brasileira, também denominada talian) é uma língua românica falada por cerca de cinco milhões de pessoas, principalmente na região do Vêneto na Itália. A língua é chamada localmente de vèneto (veneto em italiano); a variante falada em Veneza é chamada alternativamente de venezsiàn, venesiàn, venexiano ou veneziano. Ainda que geralmente referido como um dialeto italiano (diałeto, dialetto em italiano), mesmo por seus falantes, ele mostra notáveis diferenças estruturais do italiano. Pertence ao grupo itálico do norte dentro das línguas românicas. Sua variante é chamada no Brasil talian.

Total de falantes: 2,21 milhões

Sardo

-Ti stimu

O sardo, sardenho ou língua sarda é uma língua natural românica que se desenvolveu de uma forma peculiar por estar em uma ilha isolada do continente: a Sardenha, na Itália. Durante o domínio romano a ilha foi usada como lugar de encarceramento para criminosos reincidentes, passando a formar parte do Império Bizantino posteriormente, para em seguida cair sob domínio muçulmano até ser conquistada pela Coroa de Aragão, razão pela qual até os dias de hoje há um enclave de idioma catalão no porto de Alghero. No século XVIII a ilha se integrou à Itália.

A língua conta com cerca de 1,6 milhões de falantes, o equivalente a 70% da população da ilha. Em 1989, 31,6% de seus habitantes usavam apenas o italiano no meio familiar enquanto 54,4% utilizavam exclusivamente ou principalmente o italiano fora da família.

O sardo se subdivide em quatro variantes principais:

Logudorês, falado no centro da ilha, na região de Logudoro. Subdivide-se em três subdialetos: meridional ou nuoresa, central e setentrional.
Campidanês, na região meridional da ilha.
Galurês, na parte nordeste da ilha (Gallura).
Sassarês, na cidade de Sassari e arredores.

Região: Sardenha
Total de falantes: 2,5 milhões (estimativa)

Ladino-dolomítico (Ladino)

– Te voj massa ben

O ladino dolomítico (ladin) constituiu-se de uma série de dialetos reto-românicos, unidos por estreita afinidade e falados por cerca de 30 000 pessoas no nordeste da Itália, na zona das montanhas Dolomitas, porção oriental do arco alpino – a chamada “ilha linguística ladino-dolomítica”. Os falantes do ladino somam pouco mais de 30 mil pessoas, sendo todos bilíngues ou trilíngues, pois a língua majoritária das províncias de Trento e de Belluno é o italiano, enquanto em Bolzano é o alemão.

Região: Trentino-Alto Adige e Vêneto
Total de falantes: cerca de 30 mil

No mapa abaixo, você poderá ver a variedade de línguas e grupos linguísticos falados na Itália

Adaptado por HR idiomas de Ti amo in tutte le lingue d’Italia (em italiano)