ß “Eszett” ou “scharfes S” (S afiado) é uma letra que hoje em dia só se usa no alfabeto alemão. Não é nem um B maiúsculo, muito menos o beta grego. O som que esta letra representa é o mesmo som do “ss” em “pássaro”. Ela não é a mesma coisa que o Beta Grego.

Esta é a letra alemã: ß
Este é um beta grego: β

De fato, ß não tem equivalente maiúsculo, e é substituído por SS quando escrevendo tudo com letras maiúsculas:

Usa-se ß depois de ditongos.
Usa-se ß depois de vogais longas.

die Soße (molho) → DIE SOSSE
süß (doce, adjetivo) → SÜSS
die Süßigkeit (doce, substantivo) → DIE SÜSSIGKEIT
der Süßstoff (adoçante) → DER SÜSSSTOFF
der Weißwein (vinho branco) → DER WEISSWEIN

O eszett representa o fonema [s] em palavras como Straße (rua) ou Fuß (pé). Sua origem tipográfica não é a ligatura das letras que hoje representa em alemão (s longo medial e s curto final), mas sim a ligadura na escrita gótica das letras “s” e “z”, vindo daí a origem de seu nome (eszett no idioma alemão significa “s-z”). É uma das únicas letras do alfabeto latino que não possui forma maiúscula, já que nunca ocorre inicialmente: não existem ocorrências iniciais de “s” seguido de “s” ou “z”. Entretanto, há uma proposta de eszett maiúsculo para títulos em maiúsculas e versalete. Outro exemplo é a letra antigamente usada na língua gronelandesa, kra (ĸ).

É utilizada unicamente na língua alemã, embora na Suíça e em Liechtenstein não seja nem oficial nem extraoficialmente utilizada, utilizando-se em seu lugar usa-se o “ss” ou o “sz”. Com a reforma ortográfica da língua alemã em 1996, o ß desapareceu em posição depois de vogal tônico convertendo-se em ss, como em Schloß, transformado em Schloss (castelo) e bißchen, que se tornou bisschen (pouquinho).

Na Suíça e em Lichtenstein não se usa ß, mas sempre “ss”.