Se você estiver apenas começando a estudar italiano ou à beira da fluência vai gostar desse artigo, aqui estão 21 fatos interessantes, divertidos e curiosos sobre a língua conhecida como expressiva e romântica e também pela sua beleza e musicalidade.

1. Existem 21 letras no alfabeto italiano. As letras j, k, w, x e y não fazem parte do alfabeto, aparecem apenas em palavras de origem estrangeira, um exemplo disso é “jeans”, uma das poucas palavras com “j” nos dicionários italianos. Alguns dos dialetos usam essas letras, especialmente “j” e “k”, por isso aparecem em alguns nomes próprios e de lugares.

2. Oops, falamos “dialetos”? Não é bem assim, as línguas regionais da Itália são apenas isso – línguas. Dialetos são variantes de uma língua-padrão, mas na Itália essas diferentes línguas se desenvolveram do latim junto com grandes influências das línguas faladas por diversos povos que habitavam a península itálica.

3. O idioma que agora chamamos de Italiano “Standard” (padrão) deriva da Toscana do século XIII, da língua Toscana ou Fiorentina, para ser mais específico. Esta escolha foi feita depois de alguns séculos de disputas entre estudiosos, e foi por uma série de fatores que esta foi escolhida para servir de base para a língua oficial.

O prestígio econômico e cultural de Florença desempenhou um papel importante, particularmente nas obras dos três grandes escritores Dante, Petrarca e Boccaccio, e o mais importante, um linguista chamado Pietro Bembo, que criou o primeiro Manual Gramatical da Língua Toscana. Ter as regras escritas significava que era mais fácil adotar o Fiorentino como língua nacional. Falamos sobre isso no artigo Como o italiano tornou-se uma das mais belas línguas no mundo, também vale a pena dar uma lida.

Florença (em italiano: Firenze e em latim: Florentia) é um município italiano, capital e maior cidade da região da Toscana e da província homônima

4. Quando se trata de línguas regionais, a mais falada é a Napolitana, com mais de cinco milhões de falantes.

5. E a menos falada é a língua croata molisana, falada em Molise e que possui apenas cerca de 1.000 falantes.

6. O italiano é a língua oficial da Itália, Suíça, Vaticano, São Marino e da Ordem Soberana e Militar de Malta – não confundir com Malta, o país, onde a língua tivera status oficial por séculos até 1934. É também uma das línguas oficiais da União Européia.

7. A língua italiana é reconhecida como uma língua minoritária em outros três países: Eslovênia, Croácia e Brasil.

8. Um pouco mais de um milhão de pessoas falam italiano nos Estados Unidos, embora o número de americanos com raízes italianas seja muito maior, em torno de 17 milhões.

Especialistas dizem que a “melodia” da língua italiana é que a faz tão atrativa.

9. Existe um grande debate sobre qual seria o mais antigo documento escrito em italiano, pois é praticamente impossível afirmar onde o latim vulgar terminou e o latim começou. Os dois principais indícios estão em o Enigma veronese (Indovinello veronese) – um breve texto escrito por um monge em um pedaço de pergaminho, datado do final do século VIII ou início do século IX e em Placiti Cassinesi (Placiti Capuani) – um conjunto de quatro documentos registrados entre os anos 960 e 963 sobre uma disputa de terras da época. A maioria dos estudiosos concorda que este último possui os traços do primeiro documento em italino,  já que o Enigma veronese possui recursos linguísticos característicos ainda do Latim.

10. Quanto ao primeiro romance escrito em italiano, é o I Promessi Sposi (Os noivos) de Alessandro Manzoni. Qualquer um que tenha passado pelo sistema escolar italiano terá lido. É uma boa leitura, que nos dá uma boa visão sobre a época em que a Itália estave sob domínio espanhol, sua narrativa é feita através da vida de um casal de camponeses.

Manzoni compôs a sua obra-prima, I promessi sposi entre 1821 e 1840. Terminou a primeira redação do romance em 1823, mas, insatisfeito, reescreveu-a duas outras vezes, publicando a edição revisada e “refinada” de 1827 e a de 1840 e mudando o primeiro título, Fermo e Lucia, para I promessi sposi. Ele não estava satisfeito com o “refinamento” da língua e conseguiu isso após se instalar por algum tempo em Florença.

11. A pureza da língua italiana é protegida pela Accademia della Crusca, a mais prestigiosa instituição linguística da Itália, que reúne estudiosos e especialistas em linguística e filologia italiana, é também a mais antiga academia em atividade no país, sua sede fica em Florença.

12. Quando a Itália foi unificada em 1861, apenas 2,5% da população sabia falar a língua italiana – todos falaram suas línguas regionais. Porém, isso é coisa do passado, estima-se que atualmente apenas 5% da população utiliza exclusivamente ou predominantemente sua língua regional (ou se preferir: dialeto).

Quando Garibaldi adentrou a península propondo a unificação gritava com todo vigor “Viva a Itália”, muitos ignorando o significado também gritavam, pensando que se tratava de uma homenagem a sua esposa brasileira Anita que se chamava “Itália”. A ideia de unificação levou um certo tempo para acontecer. O italiano predominou aos dialetos regionais quando passou a ser obrigatório nas escolas e locais públicos com a ditadura de Mussolini. Com o advento da televisão passou realmente a totalidade.

13. O italiano tem parentes próximos. Seu vocabulário é 89% compartilhado com o francês, 88% com o catalão, 85% com a língua sarda, 82% com o espanhol e português e 77% com o romeno.

14. A língua italiana é a quarta mais estudada do mundo – uma façanha impressionante considerando o tamanho relativamente pequeno da Itália.

15. Uma das maiores palavras italianas é “precipitevolissimevolmente”, que significa “muito rápido, rapidamente” com 26 letras, no entanto é facilmente superada por alguns termos médicos como “esofagodermatodigiunoplastica” com 29 letras, que se refere a um tipo de cirurgia plástica. Achamos que isso é trapaça, mas como não citar “quattrocentocinquantaquattromilacinquecentoquarantaquattresimo”  com 64 letras – forma em extenso de “454.544º”.

16. Duas palavras têm oito vogais consecutivas: ghiaiaiuolo e cuoiaiuolo. Elas se referem, respectivamente, a alguém que vende ou produz cascalho, e alguém que vende ou produz artigos de couro.

17. Algumas palavras contêm quatro consoantes consecutivas, incluindo “substrato” (substrato), “sanscrito” (sânscrito), “inscrito” (inscrito) e “instradare” (para direcionar), como encontramos em português.

18. O italiano adora consoantes duplas, mas raramente você encontrará um duplo ‘q’. Uma das poucas palavras em que apresenta é “soqquadro”, que pode ser traduzida como “desordem” ou “confusão”.

19. Quando dissemos que os italianos adoram consoantes duplas, não estamos brincando. Algumas palavras possuem quatro pares de consoantes, incluindo algumas formas conjugadas de “appallottolare” (fazer bolinhas, empelotar) e “disseppellire” (desenterrar).

20. “Mas qual é o maior número de ocorrências de uma única letra em uma palavra italiana?” se você acabou de questionar isso, a resposta é oito: “indivisibilissimi” e “indistinguibilissimi” (as formas plurais de “muito indivisíveis” e “muito indistinguíveis” possuem oito letras ‘i’).

21. Finalmente, uma curiosidade para os poetas de plantão: Não há nenhum palavra em italiano que rime com “fegato” (fígado), mesmo que termine em “-egato”, pois a tônica cai na primeira sílaba. O mesmo vale para “despota” (déspota, tirano), então se você estiver planejando escrever um poema sobre um tirano com problemas no fígado, fique sabendo que terá problemas.

Por Catherine Edwards em 21 mildly interesting facts about the Italian language (em inglês) Traduzido e Adaptado por HR idiomas