A língua italiana é um conjunto de regras comuns e em constante evolução. Porosa, mutável, flexível, às vezes nervosa, mas muito fascinante de se conhecer e escrever, principalmente quando se conhece e respeita as regras.

Um clássico

Começamos com um clássico: qual è ou qual’è? A resposta correta é SEM o apóstrofo (qual è) porque é a supressão da vogal final da palavra “quale”, não sendo uma elisão. Outros casos semelhantes: qual buon vento, buon uomo, nessun dubbio. “Qual’è” escrito desta forma deve ser considerado um erro.

A letra d eufônica

As conjunções “e”, “o” e a preposição “a” necessitam da adição do “d” para melhorar a fusão com a palavra seguinte que começa com uma vogal. Mas inserir o d eufônico na frente de uma vogal que seja diferente das acima é errado? Existe opiniões divergentes, mas seguindo a regra geral não tem erro: o d eufônico é usado entre vogais iguais (ex.: ed ecco, ad altri, ad amici) com algumas exceções (ad esempio).

A pronúncia faz a diferença

No complexo mundo da língua italiana há uma diferença que poucos respeitam: entre o acento grave para a vogal aberta (caffè) e acento agudo para a vogal fechada (perché).

Acento tônico

Quase todas as palavras italianas têm um acento tônico. Graficamente são acentuadas somente aquelas que o acento tônico cai na última letra. (Ex.: Perù , Gesù…) ou palavras monossílabas que poderiam criar confusão (como “” = verbo “dare” contra “da” preposição).

Mas toda regra tem suas exceções: o pronome “” necessita o acento para não ser confundido com “e” conjunção, porém se este vem seguido da palavra “stesso” ou “medesimo” perde o acento.

O prazer da retórica

A língua italiana é cheia de figuras de linguagem, artifícios que permitem ao interlocutor de brincar com palavras como o Polissíndeto. Ou seja, a repetição da conjunção com o objetivo de dar especial ênfase à enumeração: “Sono andato in spiaggia e in montagna e in campagna” (Eu fui na praia e na montanha e no campo).

A Anadiplose é outra figura de linguagem que permite destacar as palavras-chave e lembrar aos leitores um determinado assunto. Basta repetir uma palavra no final e no início de uma parte do discurso: “Io sono stanco, stanco di ripetere le cose” (Estou cansado, cansado de repetir as coisas).

Origem do italiano: A Toscana

Não pretendemos desvendar nenhum mistério ao explicar que se trata de uma língua- romance. O curioso e não tão conhecido é que o italiano atual procede do dialeto toscano (florentino). Depois da unificação da Itália em 1861, o toscano se impôs já que a região de la Toscana era a que gozava de mais prestígio cultural por ser o idioma no qual se escreveu ‘A divina comédia’ de Dante.

O trava-línguas mais difícil

“Trentatre trentini entrarono a Trento, tutti e trentatre trotterellando” (Trinta e três pessoas entraram em Trento, todos os trinta e três troteando). Este popular trava-línguas italiano tem a honra de ser o mais complicado do idioma.

“Dialetti”, os dialetos italianos

A Itália tem nada mais que um grande número de dialetos: o franco-provençal, o friulano, o sassarés… quase duas dezenas! Muita gente ainda fala os dialetos locais, alguns dos quais são praticamente incompreensíveis para pessoas de outras partes do país.

Ainda que possuam a mesma base derivada do latim, a diferença é tão grande como a que há entre o francês e o português. Por exemplo, em veneziano, “estamos chegando” se traduziria por “sémo drio rivàre”, que é muito distinto do italiano padrão, “stiamo arrivando”.

A padronização do italiano tem sido um processo lento e que ainda está em andamento. De fato, segundo um estudo recente, 44% dos italianos falam de forma exclusiva o italiano padrão, enquanto que 51% alterna este italiano com um dialeto e 5% usa somente o dialeto. Ao redor de Veneza e no sul do país (Sicília e Nápoles) são os locais onde ainda se mantém com mais força o uso dos dialetos.

Substantivos: por que abusar deles?

Agora falamos sobre o abuso dos substantivos. Cancellare se torna cancellazione, distribuire se trasforma em distribuzione: por que transformar a agilidade linguística do verbo em algo estático como o substantivo? Um texto simples e eficaz, reduz (mas não elimina) o uso de advérbios e adjetivos, optando por uma comunicação ativa, direcionada para a ação.

Palavras semelhantes, significados distintos

Entre duas línguas há palavras de grafia igual ou semelhante, mas de significado diferente. Isso acontece com certa frequência entre o italiano e o português. São chamados “falsos cognatos”, alguns exemplos:

Burro: “mangio una fetta di pane con burro” (como uma fatia de pão com manteiga). Burro, o animal, em italiano se diz “asino”. Há um provérbio italiano que diz: Vale più un asino vivo che un dottore morto. (Vale mais um burro vivo que um doutor morto) Não confunda portanto burro com asino.

Prima: Em língua italiana “prima” não é parente. Significa “antes” ou “primeira” . O nome de parente, filha dos tios, em italiano se diz “cugina“.

Derubare: Na língua italiana significa roubar, furtar, privar. O verbo “derrubar” em italiano se diz “demolire, far cadere”.

Prego: Uma das palavras mais usadas da língua italiana, porque serve em muitos contextos. Por exemplo:

– em reposta a um agradecimento: “Grazie!” “Prego!” (“obrigado” – “por nada”)
– ao fazer uma proposta, uma oferta, um convite (linguagem formal): “Prego, si accomodi.” (esteja a vontade) – “Prego, assaggi questa torta” (Por favor, prove essa torta) – “Permesso, posso entrare?” – “Prego” (Com licença, posso entrar? – Pois não)
– ao fazer um pedido de modo gentil: “Prego, potrebbe indicarmi la via per…” (Por favor, pode indicar a rua para…)
– para expressar de modo gentil que não entendeu (assim como “scusi?”): “Prego? Può ripetere?” –(por favor, pode repetir?) A palavra prego do português se diz “chiodo” , em italiano.

squisito: Na língua italiana significa delicioso, excelente, refinado. A palavra “esquisito”, em italiano normalmente se diz “strano”.

Leia também:

Publicado em Vou para Itália